Câncer de mama: repercussões psíquicas no paciente oncológico

Em Outubro é realizada campanha de prevenção do câncer de mama. O trabalho preventivo vem sendo desenvolvido pelas equipes de saúde, para que o paciente seja assistido como um todo, de forma singular. 

Em volta do tema não é somente desenvolvido neste mês, mas o mês do Outubro é oficialmente considerado o epicentro das ações de prevenção do câncer de mama.

A partir da grande abrangência da situação que pode suscitar muitas questões no paciente, é importante pensar uma abordagem interdisciplinar para que esse paciente seja assistido como um todo. 

A campanha foi iniciada nos Estados Unidos na década de 90 e levou o tom rosa, como destaque da ação, intitulada Outubro Rosa. No Brasil, as equipes de saúde de diversos seguimentos, articulam-se para trabalhar a questão da prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama.

Nessas equipes, normalmente estão inseridos os profissionais de psicologia, que irão atuar assistindo as questões emocionais do paciente nesse processo.

Há estudos que tratam sobre a influência de estados emocionais no surgimento de doenças orgânicas, entre elas o câncer.

E o psicólogo, qual o seu fazer nesse contexto?

O profissional de psicologia pode atuar de algumas formas, dentre elas: 

  • de forma preventiva junto às equipes de saúde, promovendo grupos e discussões sobre o tema.
  • na clínica, escutando o paciente, que no momento de um diagnóstico de câncer, pode estar mais fragilizado e repercutir diretamente no seu estado emocional.

A partir da escuta das possíveis dificuldades do paciente, pode auxiliar no momento de “dor”, que nesse caso repercute no corpo mas que normalmente está ligado ao psíquico, e junto com ele identificar possibilidades de lidar com o inesperado de um diagnóstico de câncer de mama. 

Ao pensar nessa perspectiva, o psicólogo irá atuar independente do contexto (preventivo, ou com diagnóstico já estabelecido) de forma a precaver o desenvolvimento de doenças orgânicas no tratamento do sofrimento psíquico, já que estão interligados. 

Cabe salientar que de todas as formas de atuação do psicólogo nesse contexto, aferindo cuidados a esse paciente, iremos trabalhar com a prevenção, pois o profissional de psicologia ao escutar a demanda do paciente poderá ou prevenir afecções no corpo ou ajudar com que esse paciente possa elaborar ou ressignificar o seu adoecimento, podendo enfim encontrar outras saídas para sua “dor”.

Enfim, o câncer de mama pode ser tratado por diversas vertentes, desde a sua prevenção ao tratamento, caso tenha o diagnóstico. O trabalho interdisciplinar tem trazido bastante benefícios ao paciente. 

É importante enfatizar ao paciente como participante ativo nesse processo, tanto na prevenção ou tratamento da doença, para a partir disso verificar suas necessidades, partindo do entendimento que a sua necessidade é particular e deverá ser tratada dessa maneira para possibilitar maiores avanços para cada caso.

Tags:
Categories:

Postado por Elimara Abreu

Psicóloga – CRP 03-7906 Especialista em Psicologia em Saúde e Psicologia Hospitalar. Abordagem na Clínica Holos: Psicanálise.

Deixar seu comentário

Please enter comment.
Por Favor digite seu nome.
Pro favor digite um e-mail.
Por favor insira um e-mail válido