Agende agora a sua consulta por telefone. ✆ Ligue para (71) 3345-4545

Timidez: um problema calado

A timidez pode acontecer em momentos específicos, como numa apresentação em público, ou acompanhar uma pessoa em todos os momentos de sua vida. O primeiro caso é considerado normal pelos psicólogos e desaparece com o fim da situação que causou o incômodo; já o segundo precisa de acompanhamento médico.

O isolamento social é a principal consequência da timidez e acaba prejudicando a vida pessoal e profissional dos tímidos. Quando se deixa de frequentar ambientes públicos como escola, faculdade, cinema, festas e até local de trabalho, está na hora de pedir ajuda.

O primeiro passo para superar a timidez é admitir o quanto você está se prejudicando com esse comportamento e querer mudá-lo. Comece a interagir com as pessoas do seu cotidiano, o assunto pode ser banal como o clima, uma reportagem de televisão ou um evento que esteja acontecendo na cidade. O importante é você se acostumar a dialogar com o outro.

A timidez está muito associada à autoestima, pois a insegurança transmite a ideia errada de inferioridade, provocando o afastamento por medo de rejeição. Para combater isso, reconheça as atividades que você teve um bom desempenho, liste aspectos positivos de si mesmo e resista aos pensamentos autodepreciativos.

Ser espontâneo também é um bom exercício para vencer a timidez. Fale quando julgar ser necessário, ria quando sentir vontade e discorde se algo não te agradar. Repita essas ações e não tenha pressa pela mudança, ela ocorrerá conforme o seu ritmo de aprendizado.

Cuide-se!

Tags:
Categories:

Utilizando a Terapia Cognitiva para emagrecer

A Terapia Cognitiva se baseia no conceito de que os nossos pensamentos afetam diretamente o que sentimos e fazemos. Quando sentimos fome, em seguida vem o pensamento irracional de que essa sensação é ruim e que não pode ser tolerada, que é necessário comermos. Isso causa uma forte ansiedade e nos direcionamos em busca de comida.

Com a ajuda de um profissional, é possível que seja construída a ideia de que, ao sentirmos fome, podemos esperar e aguardar umas duas horas, por exemplo. Afinal, pode não ser uma necessidade e sim um desejo. Talvez, o prazer que teremos comendo agora será muito curto, quando comparado com os pensamentos que virão após comer demasiadamente, ou até o peso a mais que iremos ganhar todas as vezes que vem a sensação da fome.

A Terapia Cognitiva ajuda a identificar esses pensamentos irracionais (e sabotadores) e a lidar com eles de uma forma funcional, de forma produtiva para cada indivíduo.

Fique bem!

Tags:
Categories:

5 formas de vencer a insônia

A insônia é a percepção ou a queixa de um sono de baixa qualidade, independente da quantidade de horas dormida. Ela pode acarretar na diminuição da sensação do bem-estar durante o dia seguinte, como uma alteração do estado de ânimo e da motivação, diminuição da atenção, da energia, da concentração e aumento da sensação de fadiga.

Para ajudar, separamos 5 formas de você vencer a insônia:

1. Deite-se para dormir apenas quando tiver sono.
2. Evite ficar deitado na cama. Use-a apenas quando for dormir, com exceção para a atividade sexual.
3. Levante-se e vá para outro ambiente da casa. Volte apenas quando tiver sono.
5. Acorde sempre no mesmo horário com a ajuda de um alarme.
6. Não tire cochilos durante o dia.

Fique bem! Estamos aqui se precisar de ajuda.

Tags:
Categories:

As diferentes formas de amor

Ah, o amor! O amor é aquele sentimento que faz duas pessoas se aproximarem, se protegerem e se conservarem. É um sentimento que atravessa a experiência da ligação entre duas pessoas e é fundamental à natureza humana.

A psicóloga social, Ellen Berscheid, da University of Minnesota, classifica o amor em quatro formas: amor vinculação, amor romântico, amor companheiro e amor compaixão.

O amor vinculação é o laço que temos logo na infância. Essa vinculação gera o sentimento de amor quando é traduzida na segurança e no conforto da presença, ou seja, no cuidado um com o outro.

O amor romântico é a ligação que envolve a junção do cuidado recíproco e do desejo sexual, expressado através da paixão e do desejo. Esse sentimento influencia no batimento cardíaco, na liberação de endorfina, na respiração, etc. A relação tem algumas sensações de surpresa, insegurança e medo.

O amor companheiro é uma amizade, um gostar imenso, como as relações românticas iniciam. É onde existe compromisso, promoção de conectividade e apoio entre si, além da relação íntima com a satisfação conjugal. Existem teorias que, ao longo do tempo, o amor romântico vai sendo substituído pelo amor companheiro.

E, por último, o amor compaixão, aquele associado ao suporte social, ao apoio mútuo em momentos difíceis, uma forma de amor mais altruísta. Ocorre também em momentos do relacionamento em que um dos dois passa por um período difícil e precisa de apoio, suporte e um cuidado a mais.

Essas formas de amor podem existir tanto em conjunto quanto separado e o tipo de amor que se sente pode ter tonalidades diferentes em etapas da vida. Quantos tipos de amor você sente por aí?

Tags:
Categories:

A simpatia, a empatia e a antipatia

Para ter boas relações é preciso estar atento ao cotidiano. Os nossos gestos, expressões e tom de voz podem passar de forma negativa ou positiva a impressão de simpatia, empatia ou antipatia.

A simpatia está ligada à maneira autêntica, sincera e delicada de tratar uma pessoa, com naturalidade e satisfação. A empatia é o ato de se colocar sempre no lugar do outro. Mas, para isso, é necessário conhecer a si próprio. Já a antipatia trata-se do ato de ser uma pessoa que dificulta o relacionamento com o próximo, sendo uma pessoa arrogante, prepotente, indesejada ou artificial, sem se preocupar com os teus atos, e opiniões ao teu respeito.

Devemos ser pessoas melhores conosco e com os outros e não priorizar somente os nossos desejos. Assim, é possível ter bons relacionamentos, o que gera harmonia e satisfação pessoal.

Tags:
Categories:

É Carnaval! A importância da brincadeira

O trabalho, as contas para pagar, a segurança, a casa, a família, a saúde e o dia a dia acabam nos deixando sempre preocupados. O que fazemos na maior parte do ano é usar o lado racional, valorizado por nos auxiliar com a nos desafios cotidianos, mas existem alguns períodos em que a situação se inverte, como acontece no Carnaval.

No Carnaval, a racionalidade passa a ficar em segundo plano e quem passa a conduzir grande parte das pessoas é a alegria e o prazer. É o momento de relaxar e vivenciar um lado que não permitimos na maior parte do ano, de se divertir com o inadequado, extravasar a alegria e retornar mais leve para a realidade.

A fantasia traz a possibilidade de projetar externamente conteúdos internos que permeiam nossa imaginação. Através das cores e dos personagens é possível brincar de forma mais livre, e o momento do carnaval é propício para isso, é quando a brincadeira e a criatividade são permitidas e estimuladas pela maioria.

É importante ter cautela com os excessos. Perder totalmente o controle traz consequências que podem ser desagradáveis. Mas do ponto de vista psíquico, o Carnaval tem uma função positiva e nos ajuda a vivenciar outros aspectos psicológicos.

Tags:
Categories:

Cromoterapia: as cores que curam

Parece uma novidade, mas manuscritos chineses, egípcios e hindus mostram que a cromoterapia é uma técnica conhecida desde a antiguidade. Hoje, ela é utilizada como um tratamento holístico ou alternativo de alguns distúrbios e doenças como anemia, ansiedade, etc., mas o objetivo principal da cromoterapia é a regularização do nosso estado físico, mental e emocional.

O vermelho é usado para estimular o corpo e a mente e para aumentar a circulação.
O amarelo estimula os nervos e que pode purificar o corpo.
O laranja é utilizado para curar os pulmões e para aumentar os níveis de energia.
O azul é empregado para acalmar as doenças e tratar a dor.
Os tons de índigo são usados para aliviar problemas de pele.

A psicologia da cor está presente na arte, no marketing, no design e em muitas outras áreas que procuram se comunicar e conseguir uma reação das pessoas. Existem várias formas de melhorar a saúde e qualidade de vida. Se consulte!

Tags:
Categories:

O que é Inteligência Emocional (QE)?

A psicologia define a Inteligência Emocional (QE) como uma capacidade de identificar as suas próprias emoções e também as alheias, assim como o poder de trabalhar cada uma delas.

A Inteligência Emocional, na sua definição básica, comporta cinco domínios principais (Salovey & Mayer, 2000): conhecer as próprias emoções, gerir as emoções, motivarmo-nos a nós próprios, reconhecer as emoções dos outros e gerir relacionamentos.

As pessoas se diferem nas suas capacidades. Elas podem ser boas em controlar a própria ansiedade, mas incapazes de acalmar a do outro, por exemplo. É preciso ter a consciência que sempre podemos melhorar em cada um dos domínios da nossa inteligência emocional.

Controle dos impulsos, canalize as emoção para as situações apropriadas, seja grato, motive o próximo, etc. É preciso usar a inteligência emocional para o próprio desenvolvimento pessoal e para a melhoria da qualidade de nossas vidas.

Qualquer um pode zangar-se – isso é fácil. Mas zangar-se com a pessoa certa, na justa medida, no momento certo, pela razão certa e da maneira certa – isso não é fácil.” (Aristóteles, “Ética a Nicómaco”)

Tags:
Categories:

Os relacionamentos e o mundo virtual

A possibilidade de interagir através da internet deixou as relações cada vez mais virtuais.
Com tantas redes sociais e aplicativos de comunicação online, as pessoas estão mais conectadas, vivendo o mundo virtual em demasia e deixando de lado o que realmente importa, que sãos os momentos em que vivenciamos no mundo offline.

A internet contribui com a comunicação humana, mas o uso desordenado do canal de comunicação e a necessidade de estar presente no mundo virtual acaba distanciando as pessoas do contato pessoal.

É fato que a internet chegou definitivamente para nos auxiliar, para abrir o mundo e nos conectar com coisas que nem imaginávamos ser possíveis, mas não permita que ela nos desconecte do que temos de mais valioso: nós mesmos e nossas relações verdadeiras.

Tags:
Categories:

O Transtorno do Pânico

O Transtorno do Pânico (TP) é um transtorno de ansiedade caracterizado pela presença de ataques de pânico, que podem ser crises súbitas de mal estar e a sensação de perigo ou morte iminente.

Devido a forte ansiedade e estresse, acontece uma falha na interpretação das sensações do próprio corpo, que percebem erroneamente como um sinal de grande perigo. O indivíduo pode considerar as alterações normais de aceleração cardíaca, respiração ou qualquer outra função corporal como irregular e perigosa.

O papel da terapia comportamental cognitiva no transtorno do pânico é o de melhorar a interação do paciente com seu meio, ajudando-o a identificar e modificar seus pensamentos distorcidos ou avaliações errôneas das situações e enfrentá-las.

Com a terapia, o paciente passa a entender melhor a sua forma de reagir, a lidar de forma mais adequada com seus sentimentos e emoções e a se expor às situações temidas, para que a sua previsão negativa sobre os seus sintomas seja desmentida para si mesmo.

Não fique mal! Marque uma consulta.

Tags:
Categories: