Ideação suicida, nunca minimizar!

Pode acontecer que a declaração de intenção de cometer um suicídio seja uma chantagem emocional, uma regressão, uma forma de chamar e ganhar atenção sobre si mesmo? Pode ser uma forma de obter afeto ou até mesmo algo material? Pode! Mas quem estará disposto a pagar pra ver?! Portanto, o melhor mesmo é não minimizar uma ideação suicida.

A ideação suicida é um pedido de socorro!

A ideação suicida é um grande pedido de socorro, seja porque o indivíduo não enxerga mais sentido na vida, seja porque queira acabar com o sofrimento. Muitas vezes os pensamentos estão tão confusos, que se perde a noção do ato praticado.

Existem várias causas para o suicídio, desde os problemas existenciais mais complicados até as psicoses, em que as pessoas ouvem voz de comando ordenando que elas se matem. São em momentos como esses, em que os pensamentos estão muito confusos, que o juízo  e discernimento de realidade são ofuscados e podem levar o indivíduo a cometer atos imutáveis. Contudo, este breve comentário não tem a intenção de analisar a questão de forma técnica, e sim apresentá-la sobre um olhar humanista.

Saiba mais sobre os tipos de depressão e como lidar com esse distúrbio.

É possível evitar um suicídio?

Sabemos hoje que (dada as devidas proporções) existe certa predisposição para ideações suicidas. Entretanto, se até a genética, que antes víamos como imutável, pode ser modificada pela epigenética, por que então não seríamos capazes de modificar uma ideação suicida?

É sobre este questionamento que está o papel das pessoas que estão em torno dos indivíduos que alimentam esses pensamentos. A família, os amigos, os colegas de trabalhos, todos estão aptos a perceberem e atuarem como suporte de apoio nessas circunstâncias, desde que existam dois sentimentos básicos, amor e empatia. Não uma empatia de ser socialmente simpático, mas uma empatia de se colocar no lugar do outro, de percebê-lo.

Não existe uma forma determinada ou uma fórmula para se fazer isto, ela surgirá na hora, à medida em que criarmos empatia pelo outro, que nos colocamos em seu lugar, levando em conta seus sentimentos e suas crenças.

Lembre-se, ninguém é infalível, se a gente agir com sentimento, com emoção e com compaixão, os caminhos se abrirão. E se no final não conseguirmos impedir, ficará a consciência de que se tentou fazer o melhor, pois ninguém é onipotente.

Seja no estágio inicial da ideação suicida, ou após o acontecimento do ato, a ajuda especializada será essencial como suporte para enfrentar esse momento.

Dra. Telma de Oliveira (Psiquiatra)

Conheça nossos profissionais ou agende uma consulta.

 

Tags:
Categories:

Postado por admin

Deixar seu comentário

Please enter comment.
Por Favor digite seu nome.
Pro favor digite um e-mail.
Por favor insira um e-mail válido