Na terapia de abordagem junguiana, analista e paciente sentam-se frente a frente. Jung aboliu o divã porque achava necessário um confronto direto e pessoal. Ao mesmo tempo em que essa postura humaniza a terapia, também traz o desafio do envolvimento, pois Jung acreditava que o envolvimento emocional é uma parte essencial da alquimia da terapia.