Agende agora a sua consulta por telefone. ✆ Ligue para (71) 3345-4545

Preciso vencer o medo! Mas como superar trauma de roubo?

Quem passa por um evento perturbador como um roubo ou assalto, é marcado pela sensação de impotência e pela falta de controle dos sentimentos, sendo muitas vezes acometido por um trauma. Nesse momento, começa uma luta contra as emoções perturbadoras, lembranças do momento do incidente, além de ansiedade e tensão constantes. Mas e então, como superar trauma de roubo?

O que é trauma emocional?

O trauma emocional ou psicológico é o resultado de diversos eventos que estressam física e mentalmente um indivíduo, desestabilizando a sensação da segurança, e trazendo à tona sentimentos negativos, como o de desamparo e vulnerabilidade. A maioria dos eventos traumáticos geralmente envolvem ameaça de morte ou de seguridade. Contudo, qualquer situação em que você se sinta isolado ou sobrecarregado pode gerar um trauma.

O trauma emocional pode ser causado por:

  • Eventos únicos, como: ataques violentos, acidentes ou ferimentos graves, ainda que tenham ocorrido na infância, morte súbita de algum ente querido, etc;
  • Eventos com estresse contínuo: residir em local violento, doença com risco de morte, violência doméstica, intimidação ou negligência na infância;
  • Eventos negligenciados: cirurgias (principalmente nos primeiros anos de vida), rompimento inesperado de um relacionamento, ou algum tipo de experiência humilhante ou decepcionante.

Desastres naturais ou causados pela ação humana, podem ser gatilhos para o surgimento de traumas que remetem à desafios únicos, ainda que o evento não traga um impacto direto. Hoje, com o compartilhamento de notícias e imagens de violência e acidentes quase em tempo real, a sobrecarga do sistema nervoso é praticamente involuntária, e ocasionalmente, poderá refletir num trauma.

Sintomas de trauma psicológico

As reações à um trauma podem ocorrer de forma emocional ou física, sendo distintas de pessoa para pessoa. Os sintomas psicológicos mais comuns, são:

  • Negação ao evento, choque ou descrença;
  • Dificuldade de concentração ou confusão mental;
  • Irritabilidade, mudanças de humor constantes ou raiva;
  • Ansiedade;
  • Vergonha ou culpa;
  • Tristeza ou desesperança;
  • Distração demasiada.

E os sintomas físicos mais comuns são:

  • Fadiga;
  • Taquicardia;
  • Excitação;
  • Dores;
  • Tensão muscular;
  • Tremor constante.

Como superar trauma de roubo

Os sintomas de um trauma podem durar alguns dias ou longos períodos de tempo. Os mais duradouros geralmente voltam à tona quando ocorridos próximos à datas marcantes, ou se situações parecidas com o evento que ocasionou o trauma são vivenciadas.

Para alguns casos, o tempo é um remédio valioso. Ele cicatriza as feridas abertas e faz com que tudo volte à sua normalidade. Já em cenários mais graves, a ajuda de um profissional de saúde mental, como um psicólogo ou psicanalista, pode ser determinante na reabilitação do equilíbrio emocional do indivíduo traumatizado.

Independentemente do grau ou estágio do trauma, as dicas abaixo ajudarão no norteamento da sua dor, como um apoio para a superação da marca causada pelo evento sofrido:

  • Siga sempre em frente. O mal ocorrido precisa ficar no passado;
  • Não crie um isolamento, as pessoas são necessárias nesse processo;
  • Busque se manter calmo, mesmo que as circunstâncias não estejam favoráveis;
  • Mantenha sua saúde física e mental em dia;
  • Busque amparo psicológico especializado.

Com o suporte psicológico necessário tudo se tornará mais fácil. Conheça as diferentes possibilidades de tratamento para o seu trauma, e tenha uma vida tranquila e feliz.

Tags:
Categories:

Como curar o trauma causado pelo câncer de mama?

O câncer de mama é uma doença devastadora, que quando diagnosticada, desencadeia fortes reações emocionais, tanto em quem sofre, quanto em quem está próximo do paciente.

É importante salientarmos que o câncer de mama quando descoberto no início possui grandes chances de cura, por isso o autoexame é fundamental para auxiliar no pré-diagnóstico. Mas para além das consequências físicas, quais são os danos psicológicos?

O câncer de mama e o trauma

Antes de falarmos dos traumas ocasionados pelo câncer de mama, você entende bem o que é um trauma?

Diariamente milhares de pessoas no mundo são submetidas a algum tipo de trauma de origem física ou emocional, que pode ter sido desencadeado por uma violência ou situação de intenso estresse. A estatística aponta que pelo menos 90% da população em todo o mundo já foi vítima de alguma situação potencialmente traumática durante a vida.

E o que irá tornar o evento adverso uma marca permanente ou uma situação de estresse superada, é a forma como o pós acontecimento é encarado. Quando, devido a razões multifatoriais, o indivíduo possui resiliência emocional para superar o ocorrido, o mesmo não trará marcas emocionais duradouras, mas nem sempre é isso que acontece.

O trauma é a raiz de todos os transtornos psicológicos, e os danos causados por ele podem até mesmo chegar a privar um indivíduo da sua saúde mental e restringí-lo a um determinado padrão comportamental. É intrínseco ao ser humano a capacidade de superar situações de grande estresse, no entanto, existem eventos que superam esta capacidade nata, e é neste momento que o trauma acontece.

Se uma situação que normalmente já deveria ter sido superada ainda o incomoda, é interessante que você procure um auxílio profissional para uma investigação, pois existe a possibilidade de ter sido desenvolvido um trauma.

O trauma psicológico é caracterizado pelos seguintes sintomas:

  • Hiperexcitação: caracterizada pela facilidade de se assustar em situações corriqueiras.
  • Irritabilidade ou surtos de raiva.
  • Isolamento e afastamento do convívio social.
  • Evitamento de situações que possam lembrar o evento que desencadeou o trauma.
  • Revivificação constante do momento que ocasionou o trauma (principalmente durante a noite e em situações de privação de sono).
  • Hipervigilância: estar sempre alerta para caso haja uma possível repetição do evento traumático.
  • Desinteresse pela própria vida ou planos futuros de natureza pessoal e profissional.

O medo da morte sempre poderá ser considerado uma situação de grande estresse, e estará presente em mulheres diagnosticadas com o câncer de mama. Neste momento, o acompanhamento psicoterapêutico agirá como um norteador trabalhando na recuperação da autoestima e interesse pela vida.

Dor física e trauma emocional

Você já deve ter ouvido a expressão “estou com um aperto no peito”, que geralmente é mencionada em situações de decepções amorosas ou perdas familiares, por exemplo. Por mais impressionante que possa parecer, os traumas psicológicos podem causar dores corporais reais e até mesmo ocasionar o aparecimento de doenças físicas, das quais o órgão mais afetado é o coração.

Segundo o estudo da Faculdade Imperial de Londres, o coração humano possui um dispositivo para lidar com altas cargas de adrenalina. Quando ele é acometido de um repentino enfraquecimento e uma de suas câmaras tem a sua forma modificada, provoca-se um movimento muscular, que é a tão conhecida “dor no coração”.

De forma correspondente, a mesma região do cérebro responsável por filtrar esta dor, também é responsável pela reação da dor física: o córtex cingulado anterior.

A importância do auxílio terapêutico na cura do câncer de mama

Através da psicoterapia é possível minimizar as reações desencadeadas a partir do trauma sofrido. Com o acompanhamento psicológico o indivíduo poderá compreender de forma concreta as emoções e reações de seu organismo, a fim de que possa melhor lidar com elas.

Contudo, existem algumas dicas que podem ajudar uma pessoa a curar-se de um trauma:

  • Converse com você mesmo: não fuja de seus pensamentos, dialogue internamente.
  • Não se vitimize: procure não se perguntar porque você sofre disso, ninguém merece passar por um trauma, certamente você também não. Foque seus esforços para que o trauma não se torne o centro de seus pensamentos.
  • Seja autoconfiante: você não é o trauma, não deixe que ele defina quem você é.
  • Procure ser consolado: se estiver mal, não existe problema em procurar ajuda de amigos e parentes. Você não é um incômodo e não precisa estar só.

O tratamento terapêutico sempre será tão importante quanto o tratamento clínico nos casos de câncer de mama. Não existe como separar a saúde mental da física, portanto, busque ajuda profissional caso necessite.

Gostou desse conteúdo e quer continuar navegando em nosso blog? Recomendamos a leitura de Câncer de Mama – tratamentos para depressão pós trauma.

Tags:
Categories: