Agende agora a sua consulta por telefone. ✆ Ligue para (71) 3345-4545

Você sofre com carência afetiva? Descubra o que fazer!

É normal que as pessoas busquem pelo carinho e atenção daquelas que as circundam. Ter necessidade de contato e demonstração de emoções, são características que fazem parte da própria evolução do ser humano, pois foi o estreitamento das relações afetivas que garantiu a sobrevivência da espécie frente a predadores, além de permitir o desenvolvimento de uma complexa célula social. Contudo, a carência afetiva é uma busca incessante por carinho e atenção, de maneira a criar uma dependência direta com o estado de ânimo, humor e até mesmo a saúde física daqueles que a sentem.

Segundo uma pesquisa realizada pelo Ibope, por encomenda da empresa Johnson & Johnson, cerca de 62% dos brasileiros considera o afeto como fundamental para as suas vidas. Ainda, 28% dessa população afirma nunca ter recebido nenhum tipo de carinho.

Que saber quais os principais fatores que provocam a carência afetiva, seus principais sintomas e como evitá-la? Então continue lendo o post e descubra agora mesmo!

O que provoca a carência afetiva?

A carência afetiva pode ser organizada de acordo com as suas diversas fontes. Normalmente ela está ligada às relações familiares desenvolvidas desde a primeira infância, nas quais as percepções de carinho e atenção ainda não estão completamente desenvolvidas, mas podem deixar sequelas para toda a vida.

O que acontece é que, muitas vezes repetimos os padrões com os quais nos condicionamos desde essa fase, sejam eles comportamentais ou mentais. Assim, as dificuldades que enfrentamos na convivência com  pessoas que estiveram presentes em nossa infância , reverberam no nosso comportamento e na nossa afetividade quando adultos.

Essa sensação de dependência emocional pode afetar vários aspectos da vida, desde as relações interpessoais, amorosas e profissionais, até a própria auto estima da pessoa carente.

Cuidados excessivos, falta de independência com relação a atividades rotineiras e pouca responsabilidade durante a criação de crianças e adolescentes também pode gerar adultos carentes emotiva e afetivamente.

Quais os sintomas da carência afetiva?

Vários são os sintomas que podem determinar se uma pessoa sofre de carência afetiva. Contudo, o que é realmente necessário, é prestar atenção em fatores que estejam atrapalhando a independência do indivíduo, bem como suas relações sociais.

Vamos citar aqui alguns desses principais sintomas. Caso você se identifique com eles, procure um de nossos profissionais para ter ajuda especializada.

Necessidade de atenção

A sensação de dependência e carência emocional confere à pessoa carente a percepção de que é “invisível”, não notada pelos outros. Com isso, ela desenvolve uma necessidade de chamar a atenção de várias formas, seja positiva ou negativa.

Isso pode afetar diretamente o comportamento da pessoa, levando até ao uso de drogas e álcool, para se sentir menos inibida, querida e centro das atenções.

Tendências submissas

Ter tendência à submissão pode demonstrar uma grande carência afetiva das pessoas. Isso acontece, pois, essa sensação procede da percepção de inferioridade por parte do carente afetivo, o que o leva a ser submisso para não desagradar a pessoa que é objeto de sua carência.

Receio em desagradar as pessoas

Devemos ter cuidado para não magoar as pessoas que nos rodeiam com frases duras e entender suas individualidades e sentimentos. Contudo, a pessoa carente se anula completamente com medo de desagradar quem a rodeia e ficar sozinha.

Ciúmes em excesso

Ciúmes são naturais em quaisquer tipos de relacionamentos, mas em excesso podem causar grandes desgastes tanto ao objeto do ciúmes, quanto à pessoa que o sofre. Por isso, esse sentimento em excesso é muito prejudicial para qualquer pessoa e demonstra uma alta carência afetiva.

Medo de ser solitário

Como já dito antes, a raça humana evoluiu para viver em sociedade e a solidão pode levar a vários problemas de auto estima, e, até interferir na produção hormonal e humor das pessoas. Contudo, ter muito medo de ser solitário é um sinal de uma carência afetiva exacerbada.

Muitas vezes, a pessoa que tem medo de ser solitária tem vários amigos, parentes e não está realmente só, mas possui a sensação que sem o objeto da sua carência, ela está completamente sozinha e abandonada.

Dependência do outro para ser feliz

A sensação que depende do outro para ser feliz é muito prejudicial para ambos componentes de um relacionamento. Todos os sintomas citados anteriormente convergem para essa dependência, muito prejudicial para todos os aspectos da vida das pessoas.

Como evitar a carência afetiva?

Saber identificar que sofre de carência afetiva é o primeiro passo na busca para se livrar desse mal que alcança tantas pessoas atualmente. Por isso, após essa primeira fase, descubra qual a fonte desse problema e busque maneiras de combatê-lo.

Vamos citar aqui as principais atitudes que as pessoas que buscam se livrar ou evitar a carência afetiva devem seguir para sentir-sem mais plenas.

Aproveite a sua própria companhia

Saber valorizar momentos e atividades que fazemos sozinhos é crucial para evitar a carência emocional. Sentir-se completo consigo mesmo, sem a dependência contínua da presença alheia nos faz sentir mais completos e independentes.

Programas como ler um livro, assistir a um filme e até fazer viagens sozinhos é importante para nos conhecermos melhor e saber nossos limites. Assim, podemos também aproveitar os melhores momentos das nossas companhias sem a carência afetiva atrapalhando.

Valorize-se mais

Elogie-se, arrume-se, faça exercícios, busque ver o melhor de si próprio sempre. A auto estima é uma grande aliada contra a carência afetiva. Ver em si várias qualidades e aprender a amar até os próprios defeitos, é um dos maiores passos que uma pessoa carente pode dar, principalmente por suas tendências negativistas com relação à si mesmo.

Não se relacione por carência

Caso você tenha tido um relacionamento no qual a carência afetiva foi a “protagonista”, não cometa o mesmo erro com outra pessoa. Antes de relacionar-se novamente, cuide de você, da saúde, aparência e se aproxime dos amigos e família.

Só após um “período de luto”, autoconhecimento e independência afetiva, busque relacionar-se com alguém de forma plena, evitando reincidir nos erros cometidos.

Busque ajuda especializada

A terapia, autoconhecimento e, em alguns casos, auxílio psiquiátrico, é muito importante para o tratamento da carência afetiva. Buscar um profissional especializado pode ajudar a pessoa que sofre dessa dependência a encontrar gatilhos que a ajudem a curar-se de forma mais rápida e completa.
Descobriu que sofre esse transtorno e quer diminuir sua carência afetiva? Então agende uma consulta conosco agora e comece o seu tratamento.

Tags:
Categories: